3 de setembro de 2013

Resenha - Skins UK (1ª e 2ª Temp)

Cuidado, contém alguns GRANDES SPOILERS!!!

Nome: Skins UK
Produzido: Bryan Elsley e Jamie Brittain
Emissora: E4
Ano: 2007

***

"Se você, assim como eu, está acostumado com series como “Barrados no Baile”, “Dawson’s Creek” ou as mais atuais “Gossip Girl”, “Pretty Little Liars” e “90210″, eu já vou logo dizendo, Skins UK é um balde de água fria nessa sua ereção por Jovens Delinquentes!"

O seriado foi criado pelos roteiristas Bryan Elsley e Jamie Brittain – pai e filho, respectivamente – e está no ar desde 2007 no Reino Unido, e sem dúvida alguma é o maior sucesso do século, e gerou uma identificação imediata com o publico telespectador quando estreou. Produzido, até onde sei, por uma equipe maior de idade que ao que tudo indica recebiam “ideias” de um grupo de adolescentes, é estruturado basicamente da seguinte forma: cada episódio fala sobre um Personagem em especial. No Primeiro temos o piloto, Tony, interpretado por James Newman, e é ai que a coisa fica muito boa. Eu sinceramente não fazia ideia desse seriado, ouvi algo aqui, algo ali, mas nunca cheguei às vias de assistir. Á uns dois meses tentei assistir, mais o site que eu tentei não deu certo, daí desisti... Mais depois de ver um comentário em uma Fã-Page no Facebook eu me interessei e corri atrás... Foi então que eu descobri um novo mundo!

Um Face-a-face um tanto quanto real de adolescentes dos subúrbios londrinos, os frutos da classe operária, com hábitos um tanto quanto britânicos. Desleixados ao extremo (Sid!), fumam maconha o tempo todo como se fosse normal (Chris, mais Foda-se, quem disse que não é?), muito, mais muito sexo casual (hey, Tony) e quase sempre acordam em lugares diferentes de ressaca da noite anterior. Nada de atores juvenis com cara de modelo da Calvin Klein ou Victoria Secrets para fazer você se sentir um lixo, em vez disso há jovens mais surrados, desgastados por causa da rotina de festas e drogas e sexo, normais, com cara de gente como a gente, (tirando o Maxxie que parece um Modelo Europeu de cuecas Boxer’s Hahaha’).
Com um script assim, tão, digamos ‘real’, não tinha como não fazer sucesso, e a Serie recebeu indicações aos prêmios BAFTA da televisão e ganhou no mesmo instante a atenção internacional – O que não é tão comum quanto as grandes produções americanas. A BBC America chegou a exibir as temporadas de “Skins” – as duas primeiras, com o elenco original, e as posteriores, focadas em uma nova geração. Transmitia, contudo, uma versão editada, que sumia com o palavreado mais forte, chulo, e com as cenas mais polêmicas de violência e sexo. (ou seja, cadê a graça?).

E é ai que começa o Fight, a MTV americana começou a produzir um “ianque” ou “Remake”, whatever, americano da coisa, ambientada em Baltimore, mais eles não levaram em conta que as adaptações culturais poderiam acabar com esse Remake. Não levaram em conta que o publico Britânico (assim como nós Brasileiros) têm uma mente mais aberta, “Skins US” como foi intitulado, acabou por se auto  sabotar com suas próprias intenções de reproduzir o sucesso Britânico, seguindo a BBC America e tentando dar um tom mais “light”, com sutilezas, nos temas que inexistiam na versão britânica, verdades que ainda não são convenientes para o público americano – porém não são, nem de longe, chocantes para nós. 
Drogas, vicio, sexualidade, bulimia, crises existenciais, pais negligentes, morte, violência... Temas, que digamos, são normais, mais que são abordados até certo ponto tornando aceitável. Muitos criticam a versão Americana, mais mal sabem o esforço que a própria MTV teve para manter a gravação dos 10 EP’s da primeira (e última, pois no dia 25/05/11, a MTV comunicou que por causa da baixa audiência, estava cancelando o seriado) temporada. Além da audiência,  a série sofreu diversos problemas nos bastidores. Os patrocinadores ameaçaram deixar o programa, e na verdade deixaram, alegando que a série fazia apologia às drogas e a nudez entre os jovens e só pra fechar a dose, para piorar, o Parents Television Council fez uma forte pressão para que a série sofresse mudanças no seu roteiro e classificou a atração como “pornografia infantil”. Daí foi morro a baixo, a MTV que, para não deixar o publico que assistia na mão, mesmo sem patrocinadores, arcou com a serie até o ultimo EP da primeira temporada.

“Skins é um fenômeno global que, infelizmente, não se conectou com a audiência dos EUA tanto quanto esperávamos. Admiramos o trabalho que o criador Bryan Elsey fez adaptando a série para a MTV, e apreciamos o público que a abraçou." disse a emissora no Comunicado oficial á imprensa.

O que eu posso dizer depois de tudo isso é:
Eu amei a versão UK. Na verdade assisti as duas Primeiras Temporadas, tendo certos ataques de depressão no final de cada uma. Ainda não vi as outras temporadas, mais o que eu penso é o seguinte, Tudo bem que é ficção, mais a maioria das coisas que acontecem ali, no seriado, realmente acontecem na vida real. Eu acho ridículo o povo apelar pra uma serie dessa, gritar em nome dos bons costumes, censurar a liberdade de expressão, enquanto seus filhos de 14 anos, com a cara cheia de espinhas e a mão toda peluda, estão no quarto acessando o XVideos.com e vendo uns Pornôs bem tensos, só cortando pá 18.
Eu amo esse estilo Britânico das coisas, esse tom meio acinzentado e frio que as coisas ganham, sem falar que putz, você passa uma vida toda pensando que o povo Inglês é tudo empolado e cheios de blá-blá-blá quando na verdade só pensam em festas, sexo e PUB’s! O jeito simples e desprevinido, despreocupado que as coisas acontecem. Faz com que você queira se mudar para aquele lugar e nunca mais sair!

Descobri também que Foram criados até agora, dois livros para que o publico possa saber mais dos

personagens e sobre os seus pensamentos. Até o momento, apenas a segunda e terceira geração possuem Livros.
Para a segunda geração foi criado “Skins: The Novel”, escrito pela PHODÁSTICA DA ALI CRONIN (nem preciso comentar né, só naquela serie “Garota <3 Garoto” já da pra ver do que ela é capaz!!) que se passa durante a transição da terceira para a quarta temporada.
Para a terceira geração foi criado o “Skins: Summer Holiday” escrito por Jess Brittain, que depois de escrevê-lo, conseguiu o seu lugar entre os escritores principais da série. Este último se passa antes da quinta temporada.

A série mexeu de verdade comigo, e tipo, não tem como você não amar, no inicio você fica com o maior nojo do Tony, daí ele é... SPOILERS... Atropelado pelo Ônibus no maior estilo “Meninas Malvadas” e fica, como eles costumam dizer, “Retardado”. E o Maxxie? Um personagem para a qual eu não dava credito nenhum, se mostra além de muito foda, muito importante na segunda Temporada, que na minha opinião foi muito boa. Estou triste e feliz ao mesmo tempo. Feliz porque mesmo que daquela forma estranha, o fim dessa Geração foi boa, e triste por ter acabado, e também pela Sketch, que no fim fica sem Maxxie e sem o Anwar, coitada!

Deixei o link ali em cima, se você tiver tempo, assista e deixe sua opinião sobre a serie aqui beleza?! Espero que tenham curtido!

Um comentário:

  1. AMOOOOOOOO SKINS, pra mim é uma das melhores series adolescente! E muito melhor que o remake americano! hahaha, muito bom o post.

    ResponderExcluir

Faça o login usando sua conta do Twitter, Facebook ou Blogger e comente ;)