27 de fevereiro de 2013

Entwined with You

 

E ontem, a Editora Paralela (Companhia das Letras) anunciou que, o terceiro volume da Série Crossfire, "Entwined with You", da escritora Sylvia Day, ao que tudo indica será lançado aqui, em terras brasileiras de muito calor e chuva nos fins de tarde, no mês de Junho deste ano! Pra quem não se lembra, ou não teve interesse de ler (mais um livro molhado, que eu tenho, acredite ou não),  a saga conta a história do jovem bilionário Gideon e a publicitária Eva, duas pessoas com um passado complicado que se encontram numa explosão de luxúria e paixão.
Confira ai a capa e a sinopse do livro!

Sinopse: "O fenômeno mundial continua enquanto Eva e Gideon enfrentam os demônios do passado e aceitam as consequências de seus desejos obsessivos…
Desde o momento em que conheci Gideon Cross, reconheci nele algo que eu precisava. Algo que eu não podia resistir. Eu vi sua alma perigosa e danificada – tanto quanto a minha. Eu estava atraída por isso. Eu precisava dele, tão certo quanto eu precisava que meu coração batesse.
Ninguém sabe o quanto ele arriscou por mim. O quanto eu tinha sido ameaçada, ou apenas quão escuro e desesperado a sombra do nosso passado se tornaria.
Entrelaçados pelos nossos segredos, tentamos desafiar as probabilidades. Fizemos nossas próprias regras e nos rendemos completamente ao poder requintado de posse…"

26 de fevereiro de 2013

MEDO DO ESCURO e Outras Histórias

E olha a Modo Editora com mais um lançamento super fodastico ai gente!
Dessa vez, eu trago pra vocês o livro "MEDO DO ESCURO e outras Histórias", primeiro livro da escritora Maud Epascolato, que  tem 9 contos, em que o medo é comum em todos eles. Além do medo do escuro, há o medo da morte, medo de perder a sanidade, medo de perder um ente querido, medo da verdade. E eu acho melhor guardarem esse nome pois vamos ouvir muito ele ainda,pois esse é só o primeiro livro de Maud, que no momento está envolta na produção de um um novo livro chamado “Espírito da Noite”, romance policial sobrenatural, em que a polícia do Rio de Janeiro investiga duas mortes em circunstâncias estranhas. O livro não gira somente em torno dessas duas mortes e da investigação. O livro também também envolve um crime ocorrido no passado, um amor não correspondido e relacionamentos problemáticos entre alguns personagens.
Fiquem ai com a capa e a sinopse do livro.

Sinopse: "Você tem medo do escuro? Acredita no desconhecido? O suspense e o mistério irão levá-lo para a escuridão, onde o sobrenatural rivaliza com a incredulidade humana, mostrando que nem tudo o que desacreditamos é obra de nossa imaginação. Prenda a respiração. Apavore-se. Desoriente-se, pois escapar pode parecer impossível... Mergulhe no suspense e deixe que a leitura o leve – página a página – ao aterrador final."


25 de fevereiro de 2013

Resenha - As Vantagens de Ser Invisivel

Cuidado, contém GRANDES SPOILERS!!!

Nome: As Vantagens de Ser Invisivel
Autor: Stephen Chbosky
Editora: Rocco
Ano: 2012
ISBN: 9788532522337
Skoob: Livro

Sinopse: "Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, o livro reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe - a não ser pelo que ele conta ao amigo nessas correspondências -, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela. As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir "infinito" ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário.
Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo."

***

Agora, neste exato momento, escrevendo essa resenha e ouvindo a musica Asleep, eu posso garantir á vocês, eu me sinto infinito!


Normalmente, sigo um certo padrão na estrutura das minha resenhas, mais esse livro, diferente dos outros, foge totalmente dos padrões, e merece algo especial, assim como a intensa história que temos nessas 223 páginas.
Antes de qualquer coisa, quero sugerir algo á você que ainda não leu o livro, nem viu o filme. Comece pelo livro! Sei que a tentação de ver tudo ganhar forma e cor é grande, mais vai por mim, comece pelo livro e só depois que estiver totalmente extasiado com o final do livro vá para o filme. O livro é bem mais completo, tem mais informação e mais acontecimentos que no filme, são deixados para trás. Digamos que o filme é apenas 50% do livro, não que seja ruim, por que eu confesso, sem vergonha nenhuma, só chorei ao ver um filme uma vez até hoje, e foi na hora em que o Marley morreu (Marley e Eu), mais quando o filme infelizmente acabou, eu chorei, e demorei umas duas horas para digerir tudo e conseguir dormir!

Quando terminei o livro, ainda extasiado, senti que certos pontos ficaram vagos, fora de nexo ou sem resolução, daí procurei na internet e achei o filme para assistir, e então, tudo se encaixou perfeitamente, como a última peça de um quebra-cabeça de 1000 peças.
Durante o livro inteiro eu pensei que, Charlie fosse recluso daquela forma, por, de alguma forma, se culpar pela morte da Tia Helen quando ele era criança, pois todos normalmente davam apenas um presente á ele, o de aniversário e o de natal juntos, mais a família normalmente dava dois, e na noite do aniversário dele, ele atazanou tanto ela para saber qual era o segredo que ela estava escondendo dele que ela acabou dizendo: “Estou indo buscar seu segundo presente!”, e então nesse caminho ela sofreu um acidente de carro e morreu. 
E durante todo o livro você pode sentir isso, você vê que ela era alguém muito especial para ele. Mais no fim, quando Sam vai para a Faculdade e ele tem uma recaída, acabou que tudo ficou meio “turvo” para mim, não entendi se isso foi por causa de Sam, ou por estar sozinho, como sempre esteve, e isso o fizesse mal... 
Mais então eu assisti ao filme, e tudo foi para seu lugar!
Na noite antes de Sam partir, Charlie finalmente teve atitude e foi pra cima de Sam, mais quando ela tocou em sua perna ele travou. Paralisou com o toque, e ninguém entendeu o por que. Eis que depois da partida dela, ele começa a vagar pela rua, chega em casa e começa a ter a recaída, chorar, ele diz para si mesmo parar de chorar, mais é tarde demais, ele pega o telefone e liga para a irmã, Candace, e para mim, foi a conversa mais tensa do mundo, eu entrei em choque!

“-... Eu simplesmente não consigo parar de pensar em uma coisa, Candace eu matei a tia Helen não foi? Ela morreu trazendo o meu presente de aniversário, então eu acho que a matei certo? Eu tentei parar de pensar nisso, mais eu não consigo! Ela continua se afastando, e morrendo mais e mais, eu não posso parar, estou louco novamente... Eu estava pensando... E se eu quisesse que ela morresse, Candace?...”

Quando ele já está no hospital, ele volta a escrever para seu querido amigo secreto e diz o seguinte: “Os piores dias aqui, foram quando meu médico disse á minha mãe e pai o que tia Helen fez para mim...”, posso estar totalmente errado, e se estiver peço desculpas, mais vou dizer o que deduzi... Helen, como ele mesmo diz em certa parte, era louca, ela foi morar com eles depois de sair de um relacionamento onde apanhava muito, e acabou caindo na depressão, e quando Sam toca na perna dele, ele se lembra dela, da Helen, tocando na perna dele e pedindo para ele não fazer barulho, pois Candace, ainda pequena, estava dormindo... Ou seja, na minha percepção, ela abusou sexualmente dele, uma criança de seis ou sete anos!
Isso foi insano, louco demais para mim, via ela como o ponto principal, mais não dessa forma. E então tudo explode. O livro em si é intenso. Mais é como eu disse, o livro é mais completo, mas é no filme que o fim fica mais bem esclarecido, então LEIA o livro sem pressa, e depois assista ao filme!

“Querido amigo, estou escrevendo porque ela disse que você me ouviria e entenderia, e não tentou dormir com aquela pessoa naquela festa, embora pudesse ter feito isso.”


Charlie não tinha amigos, pois seu último amigo se suicidado no ano anterior. De alguma forma, alguém disse a ele que essa pessoa (o Querido Amigo, para quem ele manda as cartas) poderia o ouvir e não o julgar. E é isso que o livro é, um diário em forma de carta, ele as escreve, expressa tudo ali, e manda para uma pessoa ler, numa forma de dizer que alguém no mundo o ouve. Sam e Patrick são as luzes no fim do túnel de um garoto com depressão que tinha tudo para acabar como Michael, seu melhor amigo, ou seja, se suicidando.
O grande problema de Charlie é que ele é recluso, sem atitude e um tanto quando depressivo, chorando por qualquer coisa. “Charlie, você pode me dar seus Rins?”, “Claro! Isso vai te deixar feliz?”, “Sim”, “Então toma!”. É mais ou menos assim, ele só pensa em ver as pessoas felizes, mesmo que pra isso ele tenha que se sacrificar. Essa coisa de agradar a todos tem a ver com ele não ter amigos, e precisar incondicionalmente de alguém para chamar de amigo, e deixar de estar sozinho, então para isso, ele se sujeita a ouvir Mary Elizabeth por horas e horas (eita menina que fala!)... Deixar que Patrick o beije várias vezes no seu momento mais “Dark” com Brad... E passar todo o livro sem tomar nenhuma atitude com Sam, achando que ela estava feliz com Craig e tentando não pensar em Sam Daquele jeito... Tudo isso para poder sentir o que é ter amigos.
Não pense que por esse pequeno enredo o livro seja “Darkest”, sombrio e depressivo. É totalmente ao contrário, é lindo. É avassalador. É inesquecível. É intenso.  É acima de tudo Apaixonante. Fiquei chocado com o final, via tia Helen como um marco, uma heroína, uma pessoa que tratava Charlie com o maior e melhor amor do mundo, mais no fim não era isso.
Escrita simples, engraçada, cheio de alegrias, de novas experiências, sem preconceitos nem censura.

“- Então, o que você vai fazer quando sair desse lugar?
- Bem, minha tia Helen disse que eu deveria ser um escritor, mas eu não sei sobre o que escrever!
- Você poderia escrever sobre nós!
- Pois é.  Chame isso de Vagabunda e o Falcão! Faça-nos resolver crimes!”

Misturei bastante coisas do Livro e do Filme, mais eu te dou um motivo (ou vários) para ler o livro primeiro. Só no livro a gente entende realmente o quanto Charlie sofreu ao ver Candace apanhar do namorado e as consequências que teve quando ele se abriu com Bill e contou a ele o que viu (Bill contou aos pais de Charlie o que ouviu, e eles proibiram Candance de ver o namorado, mais mesmo assim eles se viam escondido), e o quanto ele foi solidário a ela na hora de fazer o aborto (coisas que sequer aparecem no filme, pois ela fica grávida, e seu namorado disse que não era dele e a deixou, ela então fez o aborto, e nunca mais olhou pra ele!).
Ou então do “The Rocky Horror”, gente, eu achei que era apenas um musical, mais eu nunca imaginei que era do jeito que era. Ri demais ao ver a sensualidade á flor da pele do Patrick dançando no colo do Charlie... E o Charlie dançando só de sunga dourada com a Sam? Que que é isso gente! Kkk’!
E também tem a parte onde Cadance vai ao show e é iniciada com um boneco inflável... Ou seja, nada disso e muitas outras coisas são mostradas no livro, e no filme não!


O mais legal, é que no fim, depois de Sam mostrar á Charlie que ele é “Passivo” no sentido de “Faça o que quiser comigo, contanto que você fique feliz e seja minha amiga!” e ele realmente começa a participar, assim como ele fez no inicio do livro e começou a se enturmar mais, quando Bill diz a ele:

"- ... É que as vezes as pessoas usam o pensamento para não participar da vida..."

E eu me identifiquei muito com essa parte. Ás vezes penso demais, debato demais comigo mesmo, ao invés de fazer algo! Charlie também é assim, só que com ele é diferente, se ele pensar demais ele fica ruim, pois a percepção da vida que ele tem é totalmente diferente, e nisso eu também me identifiquei com ele, ás vezes você para e olha uma pessoa, e começa a deduzir, só pela expressão, ou pelas roupas, ou pelo modo como ela anda, sobre a vida dela, não por maldade, e sim por vontade de entender as pessoas, de fazer parte, de participar!
As Vantagens de ser Invisel é o livro mais perfeito do pretério passado/presente/futuro que eu já li, e uma coisa eu garanto, quem não leu, está perdendo o livro que tem tudo para mudar sua percepção sobre a vida! Delicie-se!
Meu mais novo livro de cabeceira!


Trouxe pra vocês o Link Para assisir ao filme Legendado, e o link para baixar a música tão comentada, Asleep da Banda The Smiths, que se vocês prestarem a atenção nos comentarios, mais de 98% das pessoas que baixaram a musica, foram induzidas pelo livro!

23 de fevereiro de 2013

Minha Caixa de Correio #17

Haha' na última Caixa de Correio, eu disse que as proximas seriam mais simples e sem muitas coisas... Mais então o barco da vida mudou de rumo... E eis que nessa 17ª Caixa de correio eu trouxe muitos livros para vocês.
Antes de qualquer coisa, eu tenho que avisar para vocês que moram em São José dos Campos... Não comprem livros na Max Sigma do Shopping Collinas. As vendedoras são grossas, sem educação ete uma mávontade dos infernos! Fui super mal atendido da última vez, e livro lá não compro mais!
Veja os mimos dessa Caixinha...

"Águas Turvas" - Helder Caldeira
Editora - Faces
* Parceria e em breve Resenha para vocês! :)

"Sem Você não é verão" - Jenny Han
Editora - Galera Record
* Sofri pra achar esse e estou lutando loucamente para encontrar o primeiro, que só tem em uma livraria lá no Rio de Janeiro, e que eu não vou dizer o nome se não você vão comprar. Poxa, Galera Record devia mandar mais desseslivros, não tem em lugar nenhum!

"As Vantagens de Ser Invisivel" - Stephen Chbosky
Editora - Rocco (rica como sempre)
* Comprei e não me arrependi, esse é o livro mais perfeito que já li em toda a minha vida, e não é mentira ou enche linguiça não, éa perfeição em forma de livro, meu deus, amei esse livro, e agora e sempre será o meu preferido! Stephen está de parabéns, preciso de um autografo dele urgente!
P-E-R-F-E-I-T-O!

"Êxtase" - Lauren Kate
Editora - Galera Record
* Esse livro tava o olho da cara, mais achei ele em uma mega promoção nas lojas americanas (não era minimizado e nem sem orelha, é perfeitinho!!!) e completei minha coleção!

"Despertar" - Amanda Hocking
Editora - Planeta
* Vi a capa desse livro e me apaixonei, dai aproveitei e peguei o segundo volume também(ai em baixo)! Gente essa capa é linda demais!

"Canção do Mar" - Amanda Hocking
Editora - Planeta
* Comprei por ter amado o primeiro livro, dai aproveitei o preço bom e levei!

"Tempest" - Julie Cross
Editora - Jangada
* Vocês não tem noção do tanto de tempo que eu estava esperando pra comprar esse livro! Finalmente consegui!

Especial:

CD Beyoncé - 4 (Deluxe Edition)
* Comprei por um preço muito bom nas Lojas Americanas. Tipo, o preço dele normalmente é 34,90 pra mais, comprei por 25,90!!!

CD Rihanna - Unapologetic
* Comprei também por 25,90, levando em consideração que é lançamento e que nas concorrentes tá 36,00 reais!

22 de fevereiro de 2013

Apenas um Motivo - "Inside"

* Pessoas e fatos aqui postados não fazem parte do mundo real. Nomes fictícios, lugares fictícios e acontecimentos (infelizmente) fictícios.

Apenas um Motivo


Eu pedi apenas um motivo. Nada mais que isso.
Um motivo de que? Do que?
Talvez um motivo para sorrir, para acordar todos os dias, e não sentir aquela vontade avassaladora de me cobrir com os cobertores e esquecer do mundo cinza lá fora.
Pedi um apenas um motivo, e recebi mais que isso.
Acordei com aquela luz forte em meus olhos. Era apenas uma fenda entre as nuvens, mostrando que lá atrás, em algum lugar, escondidinho de tudo, havia um sol. Ao chão do quarto, um tanto quanto desconhecido á primeira vista, estavam alguns lençóis, e também um travesseiro, minhas roupas estavam penduradas em uma cadeira em frente a um computador, pela porta de correr o vento soprava sua brisa fria de mais um dia de frio em pleno verão sobre as cortinas brancas da varanda. Sentei-me, sem movimentos bruscos, para não acordar a pintura logo ao meu lado. Esfreguei rapidamente meus olhos, tentando lembrar o que eu estava fazendo ali. Onde era ali.
Logo tudo veio á minha mente novamente. Eu já tinha um rumo, pelo menos sabia onde estava!
Suas mãos abraçavam o travesseiro também branco por baixo, e logo acima, seu rosto, angelical, dormia profundamente. Cabelo totalmente bagunçado. O cobertor cobria apenas seu tronco, deixando sua perna esquerda, curvada, e seus braços á mostra. Apoiei meu queixo em meus joelhos e apenas observei.
Feliz? Talvez. As pessoas buscam essa tal felicidade incessantemente, como se fosse a fonte da juventude, como se fosse o pote de ouro no fim do arco-íris. Mal percebem elas, que, são nos momentos mais difíceis, e mais tristes que nós mais aprendemos, que nós mais nos conhecemos.
Extasiado.
Eu não estava feliz, estava extasiado. Meu coração batia tão rápido que chegava a me assustar. Sentia meu sangue correr pelas veias, ou talvez fosse a adrenalina, ou sim, talvez pudesse ser a felicidade de uma forma geral e generalizada da coisa toda.
Levantei-me da cama, coloquei um short, e procurei um banheiro por entre o apartamento. Não o bagunçamos tanto assim. Talvez “F” possa nos emprestar novamente. Encontrei um banheiro logo ao lado da cozinha. Apoiei-me no lavatório, abaixei a cabeça e pensei. Pensei nos motivos e consequências de eu estar ali, fazendo o que eu estava fazendo.
Logo senti duas mãos, calorosas, e pedintes de amor, me abraçar pela cintura. Uma boca macia, e molhada encostou em meu pescoço, fazendo-me delirar e arrepiar. Logo recebi um abraço, quente, e um lindo:
- Bom Dia!
- Não tinha como ser melhor! – Me virei, segurei sua cintura, e deixei que o beijo rolasse. Deixei nossas línguas se cruzarem sem rumos, só por se cruzarem.
- Nem escovei os dentes ainda! – Disse, se afastando de minha boca.
- E eu ligo pra isso? – Reencontrei sua boca, e me demorei mais ainda.
Dizem as más bocas, que um dia tudo acaba.
Dizem por ai, que nada é eterno.
Dizem que o que dizem é verdade.
Eu não acredito.
Me pego sempre pensando o seguinte: Tudo bem, um dia tudo acaba, mais é impossível que sensações assim desapareçam em algum lugar. São fortes demais, trazem um sentimento forte demais. São intocáveis. Não podem apenas se dissipar em algum canto escuro do buraco negro para onde nossas almas serão levadas. Acredito que nem mesmo a mais escura e deprimente escuridão consiga dissolver e acabar com essas lembranças e sensações. Nada nem ninguém tirará esse momento de mim, de minha essência.
Lembrei-me então de um trecho de um livro que muito me fez pensar. Um livro que me encantou com sua simplicidade e intensidade.
Apertei seu corpo sob o meu, senti seu calor, sua paixão. Aos poucos levei meus lábios até seus ouvidos e disse, como que num sussurro:
- Você me faz sentir infinito. E eu gosto... – Troquei de ouvido bem de vagar, sem pressa. Certas coisas não se apressam, você apenas sente - ... Gosto muito do jeito que fico quando estou com você.
E da mesma forma que uma pequena formiga encontra o rastro para voltar ao ninho, minha boca encontrou o caminho de volta para aqueles lábios que me faziam subir ao céu, descer ao inferno e voltar rapidamente a terra num frenesi imenso e avassalador.

*Livro citado: As Vantagens de Ser Invisivel
* Ouça: The Smiths - Asleep

20 de fevereiro de 2013

Inveja


 

A Editora Universo dos Livros anunciou antes de ontem a capa oficial do terceiro volume da série Fallen Angels escrito pela best-seller J. R. Ward (muito conhecida aqui, em terras de sol escaldante e calor infernal, pela série Irmandade da Adaga Negra) chamado “Inveja”.
 “Inveja” será lançado oficialmente no dia 28 de Fevereiro. A série acompanha a tentativa dos anjos em salvar a humanidade. Jim tem que cumprir diversas missões determinadas pelos anjos, a fim de provar que o mundo deve ser salvo. Na gringa o livro já tem 4 volumes publicados, e o quinto tem previsão de lançamento para o dia 5 de setembro ainda desse ano.
Confira a capa e a Sinopse ai!

Sinopse: "Thomas DelVecchio Jr. é um detetive assombrado pelos fantasmas de seu passado. Filho de um serial killer famoso, ele luta para se libertar da terrível herança deixada pelo pai e de todo o mal que o circunda desde a infância. Mas o detetive não está convicto de que é realmente uma boa pessoa, e descobre-se envolvido em uma cruel tentativa de assassinato, da qual se torna o principal suspeito. É nesse momento que surge em seu caminho Sophia Reilly, a bela oficial do Departamento de Assuntos Internos da polícia, encarregada de supervisioná- lo e investigar o seu envolvimento no caso. Rapidamente, essa relação ultrapassa os limites profissionais e atinge um nível incontrolável de desejo e paixão. Em sua terceira missão, o anjo Jim Heron deverá ajudar DelVecchio e Reilly a encontrarem o caminho da verdade e a expurgarem todo o mal que os têm perturbado. Mas as armas de sua oponente, o demônio Devina, estão cada vez mais cruéis... "

19 de fevereiro de 2013

ZaaKar.com Entrevista



E mais uma vez eu volto com essa coluna que, ultimamente, tem sido pouco feita. Mais voltamos por uma boa causa, hoje eu anuncio pra vocês mais uma parceria do ZaaKar.com.
"Águas Turvas" é o mais novo livro de cabeceira de muita gente, tem feito uma sucesso estrondoroso, e trouxe para os holofotes nosso mais novo parceiro, Helder Caldeira, que inspirado no clássico musical de Paul Simon “Bridge Over Troubled Water” que basicamente , sem falar muito pra não estragar a leitura de vocês, conta a história do único (pois cada um dos amores para mim é unico) e profundo amor entre o médico brasileiro Gabriel, radicado em Massachusetts e o executivo Justin Thompson, de uma tradicional família republicana norte-americana. A trama ganha vida na cidade de Holden, nas colinas do Condado de Worcester, durante a recente crise econômica que sacudiu totalmente os Estados Unidos, entre os anos de 2008 e 2011.
O livro é distribuído pela Editora Faces (que também é responsável pelo livro "A 1ª Presidenta" uma análise histórica da biografia política de Dilma Rousseff, a primeira mulher
presidente do Brasil), e quem se interessar por ele pode comprar diretamente pela editora (a entrega é relâmpago, então em três ou quatro dias deve estar ai, na cabeceira da sua cama!) clicando AQUI NEGAD's!

Segue ai a Capa e a Sinopse pra vocês!

Sinopse: "O livro narra a saga do jovem médico brasileiro Gabriel Campos que, radicado nos EUA, se apaixona irremediavelmente pelo executivo Justin Thompson, filho de uma tradicional família republicana da Costa Leste norte-americana. Os encontros e desencontros dessa história de amor possível tem como pano de fundo as colinas do estado de Massachusetts e a grave crise econômica que se abateu sobre os Estados Unidos entre 2008 e 2011. "Um livro universal", revelou a jornalista Sabrina Abreu, da revista VEJA; "Best-seller imediato. Recomendadíssimo!", disse o jornalista Luiz Felipe Dias, da revista MOMENTO INESQUECÍVEL; "Envolve o leitor a cada capítulo lido, com narrativa ascendente e situações resolvidas sem atropelos, no tempo certo da leitura", publicou o editor e jornalista Léo César, na revista G MAGAZINE. #MERGULHE!"

Fã-Page no Facebook: AQUI
Facebook do autor: AQUI
Editora: AQUI
Skoob: AQUI

Mais vamos ir ao mais interessante?
Conversei com o Helder nesse final de semana, e trouxe pra vocês o nosso papo, naquele estilo ZaaKar.com Entrevista que vocês já conhecem!


Rafael: Fala pra gente um pouco sobre quem é Helder Caldeira. Um pouco sobre sua trajetória até aqui, medos, sonhos, conquistas e etc.

Helder: "Conhece-te a ti mesmo", diz a máxima dos gregos, que estaria inscrita no Oráculo de Delfos. Pois bem, acredito que sou um ser humano numa busca constante e frenética do conhecimento sobre quem sou, por que sou e ao que posso servir, compreende?! Nasci em Paraíba do Sul, uma pequena cidade serrana do estado do Rio de Janeiro. Fui criado no interior e comecei a escrever muito cedo, especialmente estimulado pelos meus pais e por professoras e professores que encontravam nos meus textos uma construção que lhes interessava. Nunca tive dificuldades com as palavras. Talvez seja isso que as pessoas costumam chamar de "dom" e eu prefiro classificar apenas como "paixão". Sou apaixonado pela escrita, pelas palavras... Desde sempre!
No entanto, só comecei a escrever "oficialmente" a partir de 2003, aos 25 anos de idade, publicando semanalmente artigos de opinião no tradicional jornal Tribuna de Petrópolis, graças à gentileza do presidente do Grupo Tribuna, príncipe Dom Francisco de Orleans e Bragança, e da então editora-chefe da publicação, jornalista Andreia Constâncio. Escrevia sobre tudo: política, comportamento, mídias, cidadania, etc. Um exercício e tanto, já que Petrópolis/RJ, a "Cidade Imperial", tem quase 300 mil habitantes e o jornal é lido maciçamente pela população. Aliás, até hoje, 10 anos depois, continuo escrevendo artigos de opinião pra Tribuna de Petrópolis, agora com o jornalista Douglas Prado como editor-chefe.
Desde então, não parei mais. Fui conquistando espaços em jornais e portais de todo país, ao tempo que fui me especializando nas análises políticas, sempre com uma "caneta pesada" nas críticas. Atualmente escrevo para mais de 50 jornais, revistas e portais brasileiros, com destaque especial para minha coluna na Revista On (Rio de Janeiro) e na Revista Leia (Espírito Santo), além de assinar artigos constantemente para o jornal Pravda, da Rússia. Vem exatamente dessa dinâmica de escrita meu primeiro livro de grande repercussão: "A 1ª Presidenta" (Editora Faces, 2011, 240 págs., R$ 29,90), com a análise crítica da trajetória política da presidente Dilma Rousseff. Alguns disseram que se tratava de uma Biografia, mas não é. O livro é apenas um olhar sobre a vida pública de Dilma e do Brasil pós-redemocratização, sob o prisma de um jornalista que não tem o rabo preso com o poder!
No desejo de deixar um pouco de lado todas essas mazelas de nossa realidade política, no final do ano passado (2012) lancei meu primeiro romance de ficção: "Águas Turvas" (Editora Faces, 2012, 278 págs., R$ 38,90). Falando com absoluta franqueza, nunca tive qualquer pretensão de alcançar sucesso ou críticas extraordinárias com esse livro, quiçá pretender algo de "Alta Literatura". Ao contrário. Sempre tive ciência e lucidez de que este é apenas meu primeiro romance, um mergulho nas possibilidades de uma história de amor. Tenho convicção de que sou um escritor bruto em processo de lapidação. E devo confessar: esse processo de "lapidar os talentos" é delicioso!
Sonhos e medos eu tive e tenho vários. Eles vão se transformando (para melhor ou para pior!) conforme o número de velas sobre o bolo de aniversário. Quando era criança, sonhava ser diplomata, ir trabalhar no Palácio do Itamaraty; hoje sonho apenas com a possibilidade de ver minhas obras ultrapassarem as fronteiras do Brasil (o que não deixa de ter relação com os sonhos de criança!). Quando era criança, tinha medo dos Bastiões das Folias de Reis (aqueles palhaços mascarados); hoje tenho medo dos rumos sombrios da Política Brasileira e sua democracia de arremedos (o que também não deixa de ter relações com os medos de criança!). Por fim, acho que a maior conquista está sendo conseguir continuar levando uma vida simples mesmo com tanta publicidade, mídia e publico em torno dos meus livros.
Daí fico com a resposta de Sócrates à inscrição no Oráculo de Delfos: "Só sei que nada sei".

Rafael: De onde Veio a inspiração para o sucesso "Águas Turvas"? Por que escolher escrever um romance sobre um relacionamento homossexual?

Helder: "Águas Turvas" era uma história que habitava o inconsciente das minhas predileções. Na verdade não é um livro sobre um relacionamento homossexual. Trata-se da história de Gabriel, um jovem médico brasileiro que, ao radicar-se em Massachusetts (EUA) para trabalhar e estudar, conhece e se apaixona pelo executivo Justin Thompson, filho de uma tradicional família republicana da Costa Leste norte-americana. A relação do casal, obviamente, assume protagonismo na obra, é o eixo central. Mas, no plano geral, o que temos é a saga de desconstrução dessa família tradicional abalada pela gigantesca crise econômica que se abateu sobre os Estados Unidos entre os anos de 2008 e 2011. Enquanto todas as histórias paralelas caminham em desequilíbrio, o romance entre Gabriel e Justin revela-se sustentáculo dessa família e fio condutor para a construção de um novo modelo de lar, algo próprio da sociedade contemporânea. Vem daí a inspiração na célebre canção "Bridge Over Troubled Water", de Paul Simon. Diante do mergulho em águas turbulentas, devemos saber reconhecer as "pontes".
Outro aspecto que considero importante ressaltar foi o cuidado para não cair nos eternos clichês que rondam as histórias de relações homoafetivas. "Águas Turvas" é a história de um amor possível inserido numa sociedade contemporânea e plenamente democrática. Justo por isso, o romance é ambientado na pequena cidade de Holden, nas colinas do estado de Massachusetts. Muito além da geografia e história belíssimas desse estado, lá o casamento entre pessoas do mesmo sexo não é um tabu desde o século passado. Ao contrário, trata-se de uma reserva legal, uma garantia constitucional. Gostaria muito que esse livro sensibilizasse, de alguma forma, os Poderes instituídos no Brasil no sentido de legitimar os novos conceitos de família e, definitivamente, permitir que nosso país, que será sede dos maiores eventos mundiais dos próximos anos e receberá um número astronômico de turistas, permita-se abrir as portas para o século 21.

Rafael: Pelo que vemos pelas mídias, esse mercado literário tem crescido bastante. Na sua opinião, os leitores ainda cultivam algum tipo de preconceito? Você teve alguma dúvida na hora de publicar ou não a obra? Por quê?

Helder: Não tive a menor dúvida. Pelo contrário, inclusive. Apesar o franco crescimento das relações homoafetivas no mercado literário, ainda há uma carência enorme de livros verdadeiramente românticos para uma demanda de público cada vez maior. O sucesso de "Águas Turvas" é prova inconteste dessa demanda. Desde de dezembro do ano passado e especialmente a partir de janeiro deste ano, o livro conquistou enorme espaço nas redes sociais, principalmente em nossa fanpage no Facebook (www.aguasturvas.com.br). Esse "boca-a-boca-virtual", somado às generosas críticas da imprensa e dos leitores, esgotou os estoques das livrarias rapidamente. Sites especializados como a consagrada Livraria Cultura (www.livrariacultura.com.br) e até a Amazon (www.amazon.com, maior livraria do planeta!) registraram um "boom" nas vendas do livro "Águas Turvas". Hoje, quando os exemplares chegam às livrarias, são rapidamente vendidos. Como autor, sinto-me extremamente lisonjeado.
O que me impressionou muito foi o alcance do livro. Num primeiro momento, achei que meu livro ficaria restrito a um público bastante específico. Mas a realidade mostrou-se outra. Hoje recebo uma média diária de 200 e-mails e mensagens de leitores e leitoras de todas as idades, de todas as regiões do país e de todos os gêneros. Ao mesmo tempo que recebo mensagens de leitores gays exaltando a obra, também já recebi e-mails emocionados (e emocionantes!) de mães e pais descobriram novos focos e novas possibilidades nas relações com seus filhos e familiares após a leitura de "Águas Turvas". Pode haver melhor sensação para um autor?
Preconceito? É óbvio que existe. Há sempre quem queira defender dogmas, preceitos religiosos, anacronismos sociais. Sobram "trolls" que, por absoluta covardia, se escondem atrás do anonimato da internet. Não é por acaso que, paradoxalmente, o Brasil, país do Carnaval, figura no ranking das nações com os maiores índices de crimes contra os homossexuais. Na ausência de uma legislação eficaz e de políticas públicas efetivas, preconceito e violência se irmanam no cenário nacional. É por isso que, muito além da fantasia e dos objetivos literários, "Águas Turvas" integra a tentativa de criar uma agenda positiva contra as barbaridades que ainda vemos no dia-a-dia de nossa sociedade. Diante da boa aceitação e recepção ao livro, acredito que fiz a coisa certa. Nas poucas horas de sono que tenho, descanso com a pacífica sensação do dever cumprido.

Rafael: Perante às editoras, você enxerga algum tipo de barreira para esse tipo de romance? Você conhece outros livros que abordem esse tema? Qual?

Helder: Há barreiras sim. Algumas grandes editoras ainda colocam entraves em projetos como "Águas Turvas". Mas isso não surpreende. Basta dizer que muitas das ditas "grandes editoras" brasileiras ainda não compreenderam sequer os conceitos do eBook, do livro digital. São demasiadamente resistentes. Não por acaso, a expressiva maioria delas está indo à bancarrota, pressionada pela ascensão de editoras de pequeno e médio portes que abrem espaço em seus catálogos para novos autores e uma enorme diversidade de temas. Nesse sentido, acredito que o público-leitor tem grande poder e uma imensa responsabilidade: ao chegar numa livraria (que é a ponta final do processo editorial), seja ela qual for, e não encontrar o livro procurado, não tenha vergonha... peça, encomende, registre sua intenção de compra. É exatamente essa pressão dos leitores-consumidores que deflagra o restante da cadeia editorial e acaba democratizando e abrindo as portas do mercado para obras como "Águas Turvas". O leitor é o dono da "chave". Faça uso dela sem restrições!
Quanto aos livros de temática homoafetiva, no Brasil há o célebre "O Terceiro Travesseiro" (Editora GLS, 2007, 208 págs., R$ 51,60), do Nelson Luiz de Carvalho, que também é autor de "Apartamento 41" (Editora GLS, 2007, 152 págs., R$ 39,90). Recentemente, o jovem escritor Ricardo Mesquita, amigo potiguar, lançou seu belíssimo romance "All Star Azul" (Metanoia Editora, 2012, 317 págs., R$ 35,00). Das obras traduzidas, impossível não ler o conto "Brokeback Mountain" (que integra a coletânea "Close Range" e inspirou filme homônimo de grande sucesso), da brilhante jornalista e escritora Annie Proulx, publicado pela Editora Intrínseca. Gostaria muito de ver traduzidos os livros do escritor americano William J. Mann, que muito além de ser o biógrafo de estrelas da grandeza de Katharine Hepburn, Elizabeth Taylor e Barbra Streisand (seu mais recente lançamento), é autor de clássicos como "Where The Boys Are", "Men Who Love Men" e "All American Boy", todos publicados nos EUA pela Kensington Books. Falei com William na semana passada e há uma forte expectativa quanto às possíveis traduções para o português de suas obras. Atualmente seu único livro publicado no Brasil é "Bastidores de Hollywood", uma pesquisa histórica vastíssima sobre a influência de gays e lésbicas no início e consolidação da mega indústria cinematográfica americana, pela Editora Landscape e que está esgotado há bastante tempo.

Rafael: Quais são os planos daqui a diante? Novas obras, novos romances?

Helder: Neste exato momento estou imerso, escrevendo um novo romance. Desta vez será uma trilogia romântica com boas pitadas de suspense. Sei que é uma aposta ousada, mas eu adoro desafios! Ainda assim, continuo cumprindo a agenda de compromissos gerada pelo sucesso de "Águas Turvas" e algumas jornadas internacionais: acabo de lançar em Seoul a edição sul-coreana de "A 1ª Presidenta" e vou estar na Alemanha em outubro para a Feira do Livro de Frankfurt, onde recebi o honroso convite da Editora Lettrètage para integrar a coletânea de Literatura Contemporânea Brasileira. Ou seja, há muito trabalho e o tempo não para!

Rafael: E pra finalizar, divida com a gente uma frase ou palavra que marcou em algum momento sua vida, e que você leve o tempo todo consigo para todos os lados!

Helder: Tenho sempre em mente uma citação brilhante de George Eliot (pseudônimo da escritora britânica Mary Ann Evans), do final do século XIX, repetida inúmeras vezes pelo primeiro-ministro Winston Churchill no século XX: "NUNCA É TARDE PARA SER O QUE VOCÊ PODERIA TER SIDO".

Bom espero que tenham gostado, e como sempre, desejo os melhores ventos ao nosso mais novo parceiro. Que você possa sentir e entender o verdadeiro Orgasmo que é o ZaaKar.com!
E em breve, resenha de "Águas Turvas" para vocês ein!
Aproveitem e deem uma olhada no catalogo da Editora Faces, vale a pena!

18 de fevereiro de 2013

Resenha - Com Louvor

Cuidado, contém GRANDES SPOILERS!!!

Nome: Com Louvor
Autor: Cecily von Ziegesar
Editora: Galera Record
Ano: 2011
ISBN: 9788501086334
Skoob: Livro

Sinopse: "Shipley é sinônimo de boa moça. Nunca faz nada errado, tem uma boa relação com sua família e entrou para uma boa faculdade. Além de tudo, é linda, loura e, surpreendentemente, virgem. Decidida a se transformar, ela já chega ao campus da Dexter College com um maço de cigarros na bolsa, um chiclete na boca e na primeira noite conhece mais três calouros. De alguma maneira, eles acabam se um grupo nada homogêneo de amigos. Logo todos irão perceber que a faculdade é muito mais do que créditos e notas e que será preciso desrespeitar algumas regras para se divertir muito! “Gossip Girl vai para a universidade nesta sátira ácida” — Publishers Weekly “Em muitos aspectos, é ainda melhor que Gossip Girl” — bookreporter.com “Os conflitos ganham força com o humor afiado característico da autora.” — Seventeen "

***

"Quando uma virgem se formar na Dexter, aquela luz azul, na torre mais alta da universidade, se apagará!"
Obs.: Até hoje ela nunca se apagou! Virgem? Nunca!

Shipley finalmente chega á faculdade com seus lindos cabelos louros, suas calcinhas lavada á seco e suas calças Jeans passadas e penduradas em cabides. Dexter College, que ficava ao alto de uma colina, logo ao lado de Home, Maine. Eles acham até então que ela veio para a Dexter, apenas por não ter conseguido entrar para Dartmouth, mais a verdade era que, ela decidiu por livre e espontânea vontade ir para lá. Talvez como uma forma de mostrar aos seus pais que ela havia crecido, e que poderia muito bem completar os 4 anos de estudo sem sumir pelo mundo depois de alguns meses na faculdade como havia feito seu Irmão, Patrick, que na verdade não havia sumido, ele estava por ali, como um "mendigo", seus pais achavam até então que ele havia fugido, estava em outro estado ou pais, mais a verdade é que ele estava bem ali, na Dexter. Mais é no acampamento de orientação que tudo acontece, ou pelo menos começa a acontecer. Levados á margem de um rio á alguns quilômetros da universidade, Shipley se vê dividindo acampamento com 3 pessoas, totalmente desconhecidas. Elisa, sua até então parceira de quarto, Nick, um estilo mais Zen das coisas e viciado em Iurtes e  Maconha, e por ultimo e mais importante, Tom, cuja a única intenção ali era aguentar os 4 anos se formar e ir trabalhar com o pai. Mais nem tudo são flores...
Depois de ficar chapada junto com os novos amigos de faculdade após ter fumado muita erva, Shipley decide sair para fazer xixi, no mato, e acaba se perdendo. Como se numa visão divina, Shipley mesmo chapa encontra a van da professora Rosen na estrada, ela entrou na Van, a ligou, em seguida ligou o radio e começou a ouvir Guns N' Roses, chapada, como se nada mais importasse.
Tom, Elisa e Nick, também tri loucos, ao perceberem a demora de Shipley decidem por sair para procura-la e acabam encontrando a Van, e Shipley lá dentro, cantando junto com o rádio.

"- Alguém topa um Dunkin' Donuts?" é o que ela pergunta. O quarteto sai com a Van raptada á procura de algum lugar que esteja aberto á essa hora, para poderem comprar algo para comer, já que o miojo e os feijões enlatados não são tão bons para se esquentar em uma fogueira!
Eis então que entram mais dois personagens na História. Shipley, que estava no volante, acaba chegando á uma cidade vizinha, e consequentemente estacionando a Van na porta (literalmente) de uma pequena fazenda de Ovelhas onde moravam Adam, Ruivo, também aluno da Dexter só que residente da cidade, ou seja, excluído socialmente dos ritos da universidade, e sua irmã, adotada, mais nova Tragedy, uma pirralha de 15 ou 16 anos que tem corpo de modelo profissional, e um vicio super anormal por cubos mágicos e fugas (Tragedy sempre soube que era adotada, e sempre fugia, com a desculpa de que onde ela estava era muito morto e sem vida para ela!).
Tragedy abre a porta, e se da de cara com os quatro saindo da Van e se parando á frente da porta, pedindo nada mais nada menos que comida! Ela ve isso como uma chance de se enturmar, já que desde sempre, seu unico amigo era Adam, já que ninguém falava com eles depois de que ocorram boatos de que os dois, tinham um caso, mesmo sendo irmãos. Então ambos só tinham um ao outro para chamar de "amigo", e incrivelmente, já haviam se acostumado com isso!
Então, como que num ato espontâneo os seis acabam se conhecendo. Elisa se apaixonou logo de cara por Nick, que por sua vez havia se apaixonado por Shipley, que por sua vez via uma certa atração em Tom, que partilhava do mesmo sentimento assim como Adam, que havia sentido nesse exato momento um sentimento louco por ela!...

"- Vou te beijar! - sussurou ela enquanto passava os braços ao redor do pescoço dele. E o Beijou, batendo a cabeça dele contra a porta do freezer como a adultera desinibida de seus devaneios!"

Com louvor tem todas as características de algo escrito Pela Cecily. É irônico, hilário, romântico, louco e o melhor sem medo nenhum! Na contra capa dizem que "Gossip Girl vai á Universidade", tipo, vejo muitos diferenças de um para o outro. Ainda segue aquele estilo de 6 pessoas que se cruzam e PUFF! Tudo acontece, assim como no Gossip, mais eu não sei, Com louvor tem um Q diferente dos outros livros dela. Uma coisa mais liberal.
Com uma escrita fabulosa, uma descrição perfeita e ótimos argumentos Cecicly realmente mostra ao que veio, e prova que, Adolescentes, drogas, sexo e escola, tem tudo a ver com ela. Ainda não tinha lido nem um livro que falasse tão abertamente de Êxtase  Maconha, Álcool e Éter, e achei super bacana. Bastante gíria, bastante palavrão... Sabe,é isso que aproxima mais a história da vida real. Porra, ninguém fala certinho e ninguém está sóbrio 24 horas por dia!
Fiquei intrigado com o estado em que Tom fica ao tomar Êxtase. Você parece estar no lugar dele, as coisas são tão sem nexo, sem ligação com a realidade, você fica alto assim como ele, não parece realidade sabe, parece que a qualquer momento ele vai acordar e perceber que isso foi um sonho. Mias não, é real, pelo menos na história, e o mais incrível é que, não rola aquele sentimento de culpa entre os personagens, aconteceu? Aconteceu! Amém então! E pronto!

"- Pra falar a verdade, estou ficando com mais calor - murmurou ela. O pênis dele se apertava contra o seu umbigo. Ela estendeu a mão para baixo e o pegou - Mais Calor, Mais calor, Quente!"

O fim é um tanto quanto questionável. Ok, Shipley Transou com Adam, Tragedy levou e Patrick a levou para o hospital, salvando sua vida. Em um sentimento de culpa, Adam decide realmente sair da Dexter e ir para uma Universidade "irmã" no Reino Unido,já que seus pais passaram a "odiar" Shipley e a trata-lo com uma secura horrível depois do acontecido. Tipo, Shipley tá caidinha por ele, e ele diz que vai mudar de facul, ela apenas dá um beijo nele, dizendo que é pra ele não se esquecer mais dela, e logo depois, volta para Tom (isso depois que ele saiu da Vibe do Éter) e fim...
Meu espero que tenha uma continuação porque desse jeito não dá. O livro é envolvente do inicio ao meio do fim, e no fim ela deixa esses pontinhos como quem diz: "Pode haver continuação... Ou não! Haha me odeie!"...
Kkk' brincadeiras á parte, sou suspeito de falar qualquer coisa sobre a Cecily, mais amo demais os livros dela e esse é incrivelmente envolvente. Comece a ler, e vai ver que não vai conseguir parar!